É comum, principalmente em tempos de redes sociais, as pessoas se preocuparem cada vez mais com sua aparência, em estar sempre bonitas, com as medidas e formas ditas como as ideais, entretanto essa busca por um suposto “corpo perfeito” pode ser excessiva, e ser um sintoma da síndrome da distorção da autoimagem.

Essa doença, também conhecida como “transtorno dismórfico corporal”, ou dismorfofobia, se manifesta quando a pessoa desenvolve uma visão irrealista do próprio corpo, que não condiz com o que de fato é. Isso impede que ela tenha uma consciência de si mesma, o que leva a uma batalha interna, causando angústia e sofrimento.

 

De acordo com estudos, cerca de 1,5% da população mundial sofre com a síndrome de distorção da autoimagem. As mulheres são mais atingidas do que os homens, sendo que essa estatística pode ser ainda maior, já que algumas pessoas nunca chegam a buscar ajuda e outras não assumem o problema.

 

Uma das questões mais preocupantes é que esse transtorno costuma estar associado com outras condições negativas, como tristeza profunda, anorexia, bulimia, depressão e ansiedade.

A distorção da imagem corporal engloba os seguintes aspectos:

• Cognitivos: expectativa irreal de possuir um padrão corporal especifico.

• Comportamentais: evitam-se situações nas quais o corpo possa estar em evidência; prefere-se escondê-lo ou depreciá-lo.

• Perceptuais: percepção distorcida do próprio corpo.

 

Não existem só casos em que a pessoa acredita que precisa emagrecer, ilusão de que está cima do peso: há aqueles em que a pessoa está acima do peso e se enxerga mais magra, há os que buscam a perfeição na forma de músculos, as que querem aumentar as mamas, afinar o rosto, “arrumar” o nariz, ter um sorriso mais branco e muitas outras correções muitas vezes infundadas e incoerentes com a harmonia da fisionomia da pessoa.

 

A síndrome da distorção da autoimagem é muito grave, pois é uma doença somatoforme, ou seja, o paciente demonstra queixas e sintomas, só que os médicos não conseguem detectá-la em exames. Há uma estatística que relata que 9% das pessoas que procuram por cirurgias plásticas ou outros tratamentos estéticos possuem algum grau dessa síndrome. Quando isso acontece, muitas vezes, o próprio cirurgião plástico orienta e encaminha a pessoa para que faça terapia e busque ajuda profissional adequada.

 

 

Aqui no Hospital de Cirurgia Plástica contamos com a psicóloga:

Juliana M. M. de Freitas – Psicóloga – CRP: 06/58287

 

Contatos:

(18) 99609-2965 – (18) 3323-5600

 

FONTE: Site SEGS – Dr. Alexandre Kataoka cirurgião plástico: Médico perito concursado pelo Instituto de Medicina Social e Criminologia do Estado de São Paulo (IMESC), Membro Titular da sociedade brasileira de cirurgia plástica e Preceptor dos residentes do Serviço Prof. Dr. Oswaldo de Castro.

Share